quinta-feira, 28 de julho de 2011

Descoberta

POST POR:

Acordou no meio da noite e acendeu todas as luzes por perto 
Parou de frente ao espelho, certo de que precisava se explicar
A si mesmo lançou um olhar que parecia uma facada
E disse: "Decida a parada! Esta é a sua vida."

Mexeu no seu cabelo como ele sempre fazia e só isso rompeu o silêncio que a noite ali trazia
Sozinho e questionado, por si mesmo pressionado e como sempre buscando 
Explicações sem fundamento para um conforto de momento e que logo acabaria
Como sempre sem parâmetro, aos outros se comparava e assim martirizava à si próprio sem medo
Ignorando que era cedo, pra tirar uma conclusão

Ele insistia em não acreditar no que ele já sabia, pois sim ele entendia, só não queria aceitar
Tinha tudo para ser feliz, só não tinha a felicidade 
Pra todo mundo sorria menos pra sua insanidade, monstro criado pela sua falta de vontade
Sonhava acordado e tinha saudade de coisas que nunca viveu
Aos pouquitos Ele perdeu sua verdadeira identidade

Estava no topo.. do fundo do poço e se vangloriava, tampouco se preocupava com uma tal de essência
Com a sua aparência as coisas se invertiam: para si era um príncipe, mas para o mundo se escondeu
Talvez por medo do que perdeu, mas que nunca lhe pertenceu
Talvez por uma injustiça que ele defendia por preguiça de encarar o que aconteceu

Agora queria entender o que faltava para ele sorrir e se libertar
Bastava só praticar o que ele já sabia, mas insistia, escondia e preferia a solidão
Escolha que foi só sua, por gostar de reclamação e por sempre que derrotado 
Querer sorrir para seu irmão afirmando que foi roubado

No fundo do seu inconsciente conseguiu o que certamente estava buscando há tempos
Necessitou apenas de se esforçar para si mesmo encontrar e achar a verdade
Estava ocultada no seu saber e criptografada na sua mente
Sorriu. Se libertou. Se lembrou até de uma música, abriu os olhos e se perguntou: "Eaí? Como se sente?"

Achou finalmente, a resposta que queria e deixou de fazer o que ele sempre fazia
Não pensou em ninguém e nem no que alguém pensaria se estivesse ali com Ele:
"Louco, demente, sai dele! Você é um sem noção! Bom sou eu meu irmão, você não tem o que eu tenho"
Agora Ele tinha muito mais. Ele tinha resgatado o que estava arquivado lá na sua memória
Sorriu de novo, se olhou e se perdoou. Apagou as luzes e se deitou e eu termino esta estória contando o que aconteceu: Ele descobriu o desapego. Ele era Eu.

3 comentaram. Comente também!:

Aline Diedrich disse...

Pq ele pensou bastante e descobriu que não havia feito nada tão grave que precisasse perdão? Ótimo texto!

Lucas Adonai disse...

Muito bom ;D

Um Pouco Sobre Isso disse...

Muito legal isso!
adorei seu blog, e espero sua visita no meu ;D
estou seguindo, sempre que possível faço uma visita!
http://umpoucosobreisso.blogspot.com/

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...